Translate

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Transpiração

O suor escorre.

Fico sempre assim. Fatigada. Saciada. Enamorada. De cada vez que nos juntamos no prazer sinto-me fatigada, saciada e muito enamorada.
Não preciso de nada mais que não seja deitar a minha cabeça no teu peito e relaxar. Deixar-me relaxar por longos momentos. Apenas descansar enrolada no teu abraço e esquecer-me de tudo o resto que está lá fora. Tudo o que possa estar fora deste quarto é irrelevante, pois nada mais importa a não ser a tua presença aqui, comigo.



Transportas-me para um lugar seguro de cada vez que me queres abraçar, como se o teu único propóstio nesta vida fosse proteger-me. E isso não tem preço.
Chamo-te porto-seguro, companheiro, amante, amigo... Tudo isto és para mim.

E tudo faz sentido e encaixa na perfeição quando, nós próprios, nos encaixamos um no outro, na mais perfeita simbiose que há memória. De cada vez que nos entregamos ao prazer descomplexado, livre de culpabilizações e ordenações, fazêmo-lo até que as nossas vozes percam o som e o gemido se torne sussurro, apenas.

Fazes-me transpirar de tão intenso que é o nosso sexo, o nosso praze, a nossa entrega...
Fazes-me sonhar com uma eternidade que nem sei se mereço, mas que me faz sentido...
Fazes-se suspirar até ao paraíso do teu final anunciado...
Fazes-me ser aquilo que sempre quero ser...

Sempre e de cada vez que fazemos o suor escorrer por nós.

Sem comentários:

Enviar um comentário