Translate

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Toca-me uma e outra vez

Sabe tão bem quando me tocas.

Sou mais mulher por sentir o teu toque na minha pele. Todos os meus recantos te pertencem, e estremecem de cada vez que nos colamos um ao outro.

As tuas mãos são tão… suaves.
A forma como me estimulas de cada vez que te deixo descer até ao meu mais profundo é algo, certamente, pecaminoso. Não há outra palavra! É pecado o que me fazes! Mas eu amo todo e qualquer toque que me ofereças. E amo pecar contigo…

Sinto saudades de te ter dentro de mim de cada vez que terminamos o nosso prazer, invariavelmente.

Sabes exactamente como me amar, possuir, como me ligar os sentidos ao extremo. És diabólico! Mas isso não é novidade nenhuma para ti, pois não?...
Sei que não sou a única que beneficia do toque na alma que é só teu para dar, mas não me importo porque este ciúme tem tanto de bom como de necessário. Ninguém é como tu, e usas isso como a tua arma de conquista com a primeira invasão que levas a cabo, sobre cada castelo que te lanças a conquistar.

Tu sabes bem como nos fechamos, como nos protegemos e, no entanto, basta um mero toque na mão, no nosso ponto mais frágil, para entrares sem lutas, sem mais nada a não ser o teu encantamento.


                                                                                                                Respiro-te até ficar ofegante.
                                                                                                                      Chamo-te até ficar rouca.
                                                                                                              Venho-me até não mais poder.
                                                                                                                       Amo-te até enlouquecer.
                                                                                   Tremo do prazer do teu toque na pele, na alma.
                                                                                              Preciso-te. Desejo-te. Odeio-te. Amo-te.

                             Sempre, até à próxima vez que me deixes pertencer-te.



                                                                     A ti e ao teu miraculoso e pecaminoso toque…





Sem comentários:

Enviar um comentário