Translate

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Respira-te

Inspira.
Expira.

Inspira-te.
Expira-me.

Arranca-me de vez da tua pele.
Queima os restos que guardaste.

Atira fora as migalhas que te dei.
Fecha o saco do lixo para onde me atiras.

Inspira.
Expira.

Põe fim à sobrevivência, e vive-te por fim.
Recusa-te existir e afirma-te, de uma vez por todas.

Grita “tréguas” a ti mesmo e desfralda essa bandeira branca de paz.
Enterra-te no campo de batalha, onde morreste, e renasce.

Inspira.
Expira.

Esquece o momento certo, pois o momento certo não existe senão na tua imensa imaginação.
Cria o “agora” pelo qual tanto clamas e exiges, e exige-te ser Maior.

Põe ao largo a doença que tanto chamas perfeita e cura-te.
Vê-te no reflexo do espelho e fala-te: “estou vivo”.

Inspira.
Expira.


                                                                       Finalmente

                                                                       …respira…

Sem comentários:

Enviar um comentário